domingo, 12 de novembro de 2017

Projeto #poéticasderesistência em Circulação


Cia Corpocena é contemplada na 23ª edição do Fomento a Dança para a Cidade de São Paulo


O projeto incluí a circulação do espetáculo #poéticasderesistência  por centros culturais e/ou escolas públicas das regiões da Zona Leste, Norte, Sul e Oeste, regiões descentralizadas da cidade de São Paulo, totalizando 20 apresentações que serão seguidas de debate. A Cia ministrará 03 workshops de compartilhamento do processo de criação do espetáculo, que resultará em apresentações públicas e realizará 01 mesa de debate que discutirá acerca do tema poéticas de resistência e dramaturgia em dança. 



link do teaser: https://www.youtube.com/watch?v=pvK4iCvlUTI&feature=youtu.be


    
Foto: Letícia Pinto



Em breve agenda das ações.



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

INterVENÇÃO poÉTICA, uma dramaturgia da urgência



Revista aSPAs  v.6. n.2 (2016)
Este artigo aborda e problematiza os desafios do artista contemporâneo em criar procedimentos em um contexto em que a velocidade vertiginosa dos acontecimentos políticos coloca a prática artística em constante estado de urgência. Parte de conhecimentos dos campos da dança e da performance, em articulação com conceitos da filosofia e da estética para apresentar e discutir algumas estratégias metodológicas de criação da Cia Corpocena como tentativas de diálogo com um presente em alta velocidade.


Texto na íntegra: http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/117078

sábado, 21 de janeiro de 2017

crítica #poéticasderesistência

por Fernanda Oliveira

Com a indagação do grupo que parte da necessidade de se criar estratégias de resistência diante dos massacres sofridos pelos corpos, perante um contexto sociopolítico, as integrantes se dedicaram durante treze meses na busca das poéticas que suscitavam a partir da pesquisa corporal, para a construção de um vocabulário de dança que fosse composto de elementos fortes para fazer “tomar corpo” as inquietações.
O espetáculo é estruturado a partir de embates corpo a corpo, que vão se delineando enquanto coreografia estruturada, apoiada em técnicas de dança. No entanto, a dramaturgia e originalidade da criação toma força ao mostrarem suas marcas e o encadeamento de movimentos que só poderia surgir a partir de uma busca baseada na improvisação que criava tensionamentos e situações de combate entre as duas intérpretes.
Essas tensões se constituíam numa relação direta com as qualidades de movimento que realizavam individualmente, uma em relação a outra, no modo de configurar o espaço à medida em que se moviam trazendo a sensação de que o espaço entre elas não era “vazio” e sim repleto de “tensões” graças as escolhas da coreografia e dramaturgia em cena.
A partir destas tensões produzidas no trabalho corporal, ao longo da composição, foi possível a apresentação de um ambiente de criação que remonta condições hostis de sobrevivência, mesmo que poeticamente, mas que deixa claro a viva conexão com o ambiente de crise política e sistêmica no mundo. Os modos de perceber que estas artistas trazem à cena, expondo seus incômodos, e possíveis elaborações de resistência enquanto trabalho artístico somam-se as inúmeras vozes que têm ecoado dos palcos acerca destas inquietações.
As intérpretes, na atmosfera desse ambiente, propõem seus desenhos de confrontos, que em alguns momentos remetem à disputa de território, outrora gladiadoras, ou até mesmo alguns gestos que lembram signos gestuais do comportamento social de primatas quando se encontram em situação de ameaça. As junções destes gestos simbólicos diluídos nos movimentos de dança apresentam uma complexidade na elaboração das dramaturgias do corpo, conseguindo instituir uma noção de tempo-espaço não cotidiana para o espectador.
Outro recurso utilizado é um momento em que a figura das intérpretes que foram construídas pelas qualidades de movimento apresentadas, começam a emitir falas e promovem uma quebra na construção dum universo imagético que estava pautado no movimento. O texto que usam compõem cenas com discursos que dão a ver relações de poder entre as intérpretes e as localizam num espaço social, situações que podem ser cotidianas e ao mesmo tempo repletas de abusos em alguns lugares, como por exemplo, a filmagem de uma propaganda que explora o trabalho de uma atriz sem lhe dar voz.
Com a quebra de um universo que tinha como maior narrativa o movimento dando lugar às narrativas baseadas na fala se perde um pouco a multiplicidade de contextos aos quais àquelas qualidades de corpo poderiam atender, onde levavam a refletir sobre diferentes ambientes. Diante das qualidades de corpo o expectador produzia sentidos a partir de seu repertório, quando há a quebra, o público passa a ser convidado à reflexão de um ambiente específico que configura outros modos de se relacionar com este material artístico que situa a visão das criadoras ao apresentarem seu objeto de observação e remonta-lo em cena.
De todo modo, fruir um espetáculo que apresenta um forte material de pesquisa física, que reúne tantos elementos do corpo em criação, é de uma grande riqueza para observar e conseguir situar e desenvolver inúmeras discussões.

Texto escrito para a disciplina “Teoria da Dança” - Comunicação das Artes do Corpo-PUC
Prof.ª Helena Katz

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Do procedimento à cena, uma metodologia de pesquisa e criação


Articular tantas questões e desejos artísticos exigiu-nos desenvolver uma metodologia de pesquisa e criação nomeada de Do procedimento à cena. Esta metodologia organiza cada encontro contemplando todo o percurso de construção dramatúrgica, desde o aquecimento, passando pela investigação de movimentos até a seleção de um recorte dramatúrgico/coreográfico, mesmo que esse recorte seja problematizado e desdobrado depois por meio de outro procedimento até chegar à cena.
 

Registro Patrícia Santos

O workshop “Do procedimento à cena” foi criado pela Cia Corpocena com o intuito de confrontar as estratégias de criação da Cia com o repertório corporal de outros pesquisadores do corpo, como forma de gerar provocações e diálogos que contribuam para sua pesquisa, bem como, a possibilidade de compartilhar estratégias de criação com outros artistas e/ou interessados em dança.  Cada encontro é organizado à semelhança dos ensaios do grupo, contemplando todo o percurso dramatúrgico de construção de uma cena, desde o aquecimento, passando pela pesquisa de movimentos e seleção de um recorte dramatúrgico.


                                                                            Foto Bárbara Morais